TianeBijux

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Ficar atento aos seus direitos ajuda a economizar com material escolar



Ficar atento aos seus direitos ajuda a economizar com material escolar
O ano mal começou e muitos pais já passam a se preocupar com a lista de material escolar. A preocupação não é à toa. Somente os livros didáticos devem ficar entre 6% e 10% mais caros neste ano. Sem a pesquisa de preços, até os itens mais básicos da lista podem sair caros.

Mas apenas a pesquisa não garante que o preço final não pese no orçamento da família. Ficar atento aos direitos do consumidor, quando o assunto é material escolar, ajuda a economizar.

De acordo com o Ibedec (Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo), os pais devem ficar atentos para não cair em armadilhas e acabar pagando caro por isso.

Olhando a lista com atenção
Um dos primeiros pontos quando tiver a lista em mãos é lê-la com atenção. O diretor do instituto, José Geraldo Tardin, alerta os pais para averiguarem se a quantidade pedida pela escola está adequada. Caso haja alguma distorção, questione e diretoria da escola.

Na segunda leitura da lista, veja o que é possível reaproveitar do ano anterior. Além de garantir alguma economia, o reaproveitamento de materiais também ajuda o meio ambiente. Na terceira leitura, veja se, de fato, o material pedido é de uso individual.

Muitas escolas acabam colocando itens que não cabe aos pais adquirir. “É proibido a solicitação por parte das escolas de materiais de uso coletivo, material de higiene ou taxas para suprir quaisquer despesas com água, luz e telefone, pois todos estes custos já estão incluídos no cálculo da mensalidade”, ressaltou Tardin, por meio de nota.

Dessa forma, giz branco, copos descartáveis, papel higiênico, álcool, panos de limpeza, por exemplo, devem ficar fora da lista.

Da mesma forma que devem ficar fora da lista especificação de marca do material bem como indicação de loja. A escola, reforça Tardin, não pode exigir essas especificações.

De acordo com o diretor do Ibedec, também é possível adquirir apenas os itens que devem ser utilizados no primeiro semestre. “Não é preciso comprar todo o material no início de ano”, ressaltou.

Na hora da compra
Depois de uma leitura atenta da lista, agora os pais devem ir às compras. E o primeiro passo, é a pesquisa de preços. Organizar grupos de pais para discutir a possibilidade de negociar diretamente com os fornecedores é uma prática que pode garantir uma economia maior.

Além do preço, também fique atento à segurança do seu filho, verificando os produtos que podem trazer algum prejuízo a ele, como cola, tintas e fitas. Os itens precisam conter informações claras sobre o fabricante, origem, instrução de uso, grau de toxidade e validade.

Exija sempre a nota fiscal com os artigos discriminados. Recuse, quando for relacionado apenas o código do produto, pois dificulta a sua identificação.

E lembre-se: tente comprar à vista e peça desconto. Se não tiver jeito, se for financiar a compra, atente para os juros que ficarão embutidos na compra.

Uniforme escolar
Com relação ao uniforme escolar, os pais devem ter a atenção redobrada, pois a escola não pode exigir que ele ou qualquer outro material seja comprado na própria instituição.

“A definição do tecido e a opção de contratar uma costureira particular para o trabalho devem ser dadas aos pais, inclusive com fornecimento da logomarca para impressão”, afirmou Tardin.

Por isso, os pais devem exigir das escolas a disponibilização de duas ou três empresas para fornecimento do uniforme, que só pode pedir padronização de cores, modelo e logotipo da escola.

Reclame!
Além de todas as dicas, lembre-se de que, para a compra de material escolar, valem todas as regras que constam no Código de Defesa do Consumidor. Todo estabelecimento é obrigado a ter um exemplar do CDC para consulta dos consumidores. Portanto, se algo parecer errado, consulte a legislação. E reclame.

Um comentário:

  1. Otimas dicas amiguxaa..
    DEus abençoe seu 2011 muita criatividade e vendas.

    ResponderExcluir